Carregando

Blog do Dr. Thiago Iria

LIPOENXERTIA X PROTESE DE GLÚTEO – CONHEÇA AS DIFERENÇAS.

redesenhando o corpo (2)

Toda mulher sonha em ter o bumbum perfeito, durinho e sem celulite. A procura por cirurgias plásticas nessa área tem aumentado cada vez mais já que o resultado das cirurgias, nem a academia, nem a prática de exercícios físicos são capazes de trazer.

Existem dois principais procedimentos para cirurgia de glúteos: a Lipoenxertia e a Prótese de Glúteos. Mas afinal, qual é a diferença entre LIPOENXERTIA e PRÓTESE DE GLÚTEO?

LIPOENXERTIA

A Lipoenxertia estruturada geralmente é feita a partir da combinação com a lipoaspiração. A gordura que é retirada de áreas como abdômen, culote ou coxas é tratada e purificada para posteriormente injetá-la na região dos glúteos. A técnica é menos invasiva do que o implante de glúteo, os resultados obtidos são mais naturais e quase não há cicatrizes.

Este procedimento é indicado em casos em que a gordura do paciente seja suficiente para fornecer o aumento desejado nos glúteos ou preencher as pequenas áreas de depressão, para pessoas jovens e muito magras o mais recomendado é a prótese de glúteo, devido à falta de gordura no organismo. É recomendada para os pacientes que estejam insatisfeitos com a aparência do bumbum devido a flacidez, celulite, ou diferença de tamanho de uma nádega para outra.

A desvantagem é que o procedimento tem validade e após redução dos inchaços da cirurgia é esperado que 30% do volume enxertado sejam absorvidos. A gordura será aplicada através de pequenas incisões, onde será injetado um volume maior do que o desejado já que o organismo absorverá parte da gordura. Esse procedimento leva cerca 2 horas, com anestesia local ou geral, e o paciente fica internado por 24 horas ou recebe alta no mesmo dia. Uma das vantagens é que o corpo não rejeitará a própria gordura do paciente.

 

PRÓTESE DE GLÚTEO

A prótese de glúteos é inserida entre os músculos das nádegas. A cicatriz é quase imperceptível e fica escondida no sulco entre os glúteos. Quem deseja um resultado imediato e um grande aumento de volume no bumbum a prótese de silicone em gel é mais recomendada.

Para cada caso existe um modelo de prótese de glúteo a ser selecionado na avaliação com o Dr. Thiago Iria, levando em conta o biotipo do paciente. A forma das nádegas depende de três músculos, além da curva da base da coluna. Conforme os desenhos das porções máxima, média e mínima do glúteo, é possível optar entre diferentes formas e tamanhos da prótese de silicone.

A quantidade a ser adicionada pode variar não só de acordo com a vontade do paciente, mas também de acordo com o modelo de silicone escolhido. Médico e paciente irão escolher juntos o perfil e o tamanho mais apropriados. A prótese de glúteo de perfil anatômico tem a forma de uma gota cortada na vertical, enquanto o perfil redondo é em forma de meia bola. A opção por um perfil irá definir a projeção da prótese, mais arredondada ou mais acentuada na porção inferior.

Ao contrário da mamoplastia de aumento, onde o implante também é diferenciado pela sua superfície, na prótese de glúteo, o silicone é utilizado apenas em sua forma natural, com superfície lisa.

Levando em conta todos esses fatores o paciente deve decidir, sob supervisão do médico, o volume de silicone para prótese de glúteos. Lembrando que o mesmo volume implicará em aparências diferentes de acordo com o perfil escolhido.

A cirurgia para o implante de prótese normalmente ocorre quando o paciente tem perda de peso significativa onde suas nádegas ficam murchas ou quando ele não possui gordura suficiente para o enxerto de gordura. Em relação ao outro método, o bumbum terá uma consistência levemente mais dura. É importante ressaltar que neste caso o paciente não poderá tomar injeção na região.

O tempo da cirurgia é tecnicamente o mesmo e o implante será inserido dentro do músculo glúteo máximo (maior músculo das nádegas) através de uma incisão no sulco entre os glúteos (sulco interglúteo), disfarçando a marca da cirurgia.

Assistam nosso vídeo explicando como é realizado o procedimento:

A melhor técnica, seja a lipoenxertia e a prótese de glúteo, depende da avaliação do cirurgião plástico, cada caso é um caso, portanto o método a ser utilizado vai depender de uma conversa com o cirurgião para avaliarem as reais necessidades, para manter o formato do seu corpo harmônico. Além disso, é essencial que o paciente faça, tanto para o procedimento de lipoenxertia como para o de prótese de glúteo, a drenagem linfática, pois ela auxilia no processo de recuperação.

Apesar de ter ocorrido um aumento na procura por prótese de glúteo, ainda há muitas pacientes receosas ao procedimento. Mas, a boa notícia é que com o passar dos anos a tecnologia e as técnicas melhoram muito sobre esse procedimento. O que antes o paciente levava até 15 dias para pode ser sentar, agora leva apenas 5 dias e a temida cicatriz fica esteticamente bem posicionada. O resultado é um bumbum com aspecto natural e arrebitado.

O pós-operatório é diferenciado entre os procedimentos. O pós da prótese de glúteo pode ser mais dolorido, por alguns dias a paciente não pode se deitar ou sentar. Já na Lipoenxertia estruturada é menos dolorido. Logo após o procedimento, a pessoa pode sentar-se ou deitar-se normalmente.

Lembrando que é imprescindível a avaliação médica para maiores orientações sobre os cuidados pré e pós cirúrgicos.

 

 

 

Postado por em - Sem Comentários

QUAL É A MELHOR ANESTESIA? QUAL A MAIS PERIGOSA? COMO É REALIZADA?

As perguntas que intitulam este post, sempre estão presentes na cabeça de qualquer paciente que deseja se submeter a uma cirurgia plástica. Apesar da opinião do cirurgião, a decisão final do tipo de anestesia a ser utilizada deverá ser feita pelo médico anestesista, ou anestesiologista.

Tecnicamente o anestesista administra os medicamentos anestésicos para que haja uma cirurgia com segurança. Além disso, ele monitora, controla e acompanha o quadro fisiológico do paciente – freqüência e ritmo cardíacos, pressão arterial, respiração etc.

A decisão sobre qual o tipo de anestesia será utilizada na cirurgia plástica, é feita pelo cirurgião plástico e pelo anestesista, com base em todas as informações sobre a saúde e hábitos do paciente. Desde os exames realizados no pré-operatório, o histórico médico, o uso de medicamentos, alergias, reações adversas a anestesias, entre outros fatores.

As anestesias mais utilizadas em cirurgia plástica são a LOCAL, SEDAÇÃO, GERAL e PERIDURAL. Em alguns procedimentos a anestesia local é comumente utilizada.

TIPOS DE ANESTESIA

ANESTESIA LOCAL

É a anestesia que é aplicada apenas no local onde a intervenção cirúrgica será realizada. Trata-se de um bloqueio reversível da transmissão do impulso nervoso na região, que anula a possibilidade de dor.

Reservada normalmente para procedimentos menores, tais como a rinoplastia, otoplastia (correção de orelha em abano), blefaroplastia (correção das pálpebras) e lifting facial (ritidoplastia).

ANESTESIA LOCAL

A anestesia local é direta, através da infiltração do anestésico no local desejado. O tempo de duração depende do tipo do anestésico (xilocaína com duração menor que bupivacaína), da concentração do anestésico (maior a concentração, maior a duração) e da presença de substâncias que retardem sua absorção (adrenalina diluída).

Obviamente é um meio anestésico inicialmente um pouco mais doloroso, já que requer a infiltração por punção percutânea em vários pontos. Isso é minimizado pelo cirurgião ao realizarmos infiltrações progressivas, sempre a partir da área anteriormente anestesiada.

As dosagens para cirurgia de nariz, pálpebras, face e/ou orelha são normalmente baixas e diluídas, portanto seguras.

Pacientes que têm baixa tolerância a dor das punções, ou mesmo pavor de agulha, podem realizar o procedimento associado à sedação endovenosa, que permite tranquilidade na execução, com o paciente dormindo. Nesses casos, sempre com monitorização e presença do médico anestesista.

A anestesia local pode transforma-se em regional quando um determinado nervo é bloqueado, permitindo que áreas um pouco maiores fiquem sem sensibilidade dolorosa. Isso é muito utilizado na face, com bloqueio de ramos nervosos específicos e nos membros superiores/inferiores.

 

SEDAÇÃO

Geralmente, é associada a algum outro tipo de anestesia, e provoca a diminuição da ansiedade e a perda da consciência. Sua aplicação é baseada em ansiolíticos, analgésicos e hipnóticos.

SEDAÇÃO

Com o uso da anestesia local com sedação a pessoa ainda fica consciente, mas é menos do que o normal. Ela só perde a consciência com anestesia geral. Há um grande relaxamento para que tudo possa ser feito com calma e o paciente não atrapalhe a sua realização.

Pode ser dividida em três níveis de intensidade:
• Nível de sedação mínima – O paciente responde à comandos verbais, mas tem a coordenação motora e as atividades cognitivas afetadas.
• Nível de sedação moderada ou consciente – O paciente tem a consciência reduzida, mas responde a comandos verbais quando recebe contato tátil.
• Nível de sedação profunda – O paciente não pode ser facilmente despertado, tendo efeito semelhante à anestesia geral. Pode ser necessário o auxílio do anestesiologista para manter a função respiratória.

Utilizando a sedação, diminuímos a dor e a ansiedade do paciente, o que é comum ocorrer devido ao procedimento e à espera de bons resultados.

 

ANESTESIA GERAL

A anestesia geral é realizada por via endovenosa (pela veia) e respiratória, promove anestesia do corpo todo e a necessidade de intubação e assistência ventilatória (mecânica). Essa forma de anestesia, apesar de ter fama de perigosa é considerada pelos anestesistas como das mais seguras. Isso porque o paciente respira com auxilio de uma máquina, ou seja, sua via aérea e oxigenação estão assegurados por um tubo orotraqueal e um ventilador que fazem as troca gasosas.

CIRURGIA GERAL

 

Nessa anestesia o paciente encontra-se completamente desacordado em virtude das drogas injetadas e a anestesia é administrada normalmente por troca gasosa (via tubo orotraqueal), por anestésicos venosos ou por um misto dessas duas formas.

Essa forma de anestesia, apesar de segura, também trás alguns problemas tais como aumento de sangramento, maior incidência de enjôo no pós-operatório, maior dor no pós-operatório, posibilidade de incômodo transitório na garganta depois da cirurgia (devido ao uso do tubo orotraqueal) e necessidade de extremo cuidado no manejo de pacientes em cirurgias que precisam trocar a posição, tais como a lipospiração, já que o paciente não tem reflexos e a região cervical fica desprotegida. Além disso, o custo dessa anestesia é maior devido ao valor do anestésico utilizado.

Alguns cuidados devem ser tomados pelo paciente antes da aplicação de uma anestesia geral, tais como: jejum de 8 horas e suspensão de medicações que interfiram no efeito da anestesia. Esses cuidados são essenciais para que não hajam sangramentos intensos durante a cirurgia ou aspiração pulmonar, por exemplo.

Eventuais complicações ainda podem acontecer durante o procedimento de entubação orotraqueal, minimizados pelo exame prévio da via aérea pelo anestesista, identificação de eventuais potencias alérgicos e adequada oxigenação prévia, rotineiramente feita pelo médico anestesista.

Qualquer cirurgia plástica pode ser executada através de anestesia geral, o custo-benefício entre as formas de anestesia devem ser pesados previamente com seu cirurgião.

 

ANESTESIA PERIDURAL

A anestesia peridural ou epidural é um tipo de anestesia que é dada no espaço epidural, que se situa na região lombar da coluna vertebral, entre as vértebras, e que afeta apenas uma parte do corpo, geralmente da cintura para baixo, mantendo a pessoa acordada.

Geralmente, é acompanhada de sedação para que o paciente permaneça dormindo durante todo o procedimento. Em procedimentos de cirurgia plástica, ela é muito utilizada para cirurgias como mamoplastia, inclusão de prótese, lipoescultura, abdominoplastia, dentre outras, ou seja, pode anestesiar adequadamente tronco e membros inferiores. O que leva a paciente a ficar sonolenta é a sedação aplicada na veia, não a anestesia peridural propriamente dita.

ANESTESIA PERIDURAL

O que a difere é a profundidade em que a agulha injeta os anestésicos, o que influenciam na duração e rapidez de ação dos anestésicos.

ANESTESIA PERIDURAL

NÃO DÓI, porque o anestesiologista aplica um anestésico local antes de dar a picada. No entanto, é possível sentir uma ligeira e suave picada quando a agulha é colocada e depois uma pressão e sensação de calor quando o remédio anestésico é colocado.
ANESTESIA PERIDURAL
O risco de complicações é baixo quando tecnicamente bem executada, com paciente monitorizado e quando não há excessos na dose dos sedativos. Caso o médico anestesista opte por utilizar a morfina na peridural o tempo sem dor no pós operatório é maior, no entanto, a chance de você ter enjôo e vômitos é grande, por isso muitos cirurgiões plásticos evitam seu uso associado.
ANESTESIA PERIDURAL
Justamente por não haver contato com a medula a chance do paciente ter complicações como paralisia de membros é baixíssima, mas não nula, já que pode acontecer aplicação do anestésico no espaço justamedular (tal como na raquianestesia), eventuais sangramentos, reações químicas ou mesmo alérgicas, dentre outros.

 

DÚVIDAS E MEDOS COMUNS

É comum ter reações alérgicas após a anestesia?
– As reações alérgicas a agentes anestésicos propriamente ditos são pouco comuns e a maioria delas são de mínima gravidade, envolvendo outras substâncias como antibióticos contrastes ou analgésicos. Reações anafiláticas são raríssimas.

Há risco de eu não acordar após a cirurgia?
– A anestesia é um procedimento extremamente seguro. Na sala de cirurgia, o médico anestesista usa vários monitores que informam continuadamente como o corpo do paciente esta reagindo.

Eu posso acordar antes do término da cirurgia?
– A moderna anestesia existe para proporcionar conforto e segurança aos pacientes. O tempo necessário para acordar dependera de uma série de fatores relacionados ao organismo do paciente, bem como ao tipo de cirurgia. E ele pode ser mantido inconsciente até ser levado a unidade de terapia intensiva (UTI) e até ser acordado somente após a realização de exames, ou mesmo depois que o organismo começou a apresentar sinais adequados de recuperação clínica.

Ha riscos de paralisia após tomar a anestesia raquidiana ou peridural?
– As técnicas evoluíram bastante nos últimos anos e, por isso, o risco em torno desses tipos de anestesia é considerado mínimo.

 

 

Postado por em - Sem Comentários

INFÂNCIA SEM ALEGRIA – Vítimas de bullying, crianças deixam brincadeiras de lado e enfrentam cirurgias plásticas para se livrar de orelhas de abano ou narizes grandes

O problema geralmente começa na sala de aula, mas em muitos casos pode ocorrer inclusive dentro de casa e quando sai do controle, leva muita criança a procurar as salas de operação.
dumbo_00
Para se livrarem de apelidos discriminatórios e constrangimentos, vítimas do bullying recorrem a clínicas de cirurgia plástica para corrigir as imperfeições que são alvos de chacotas. Porém, a prática cirúrgica pode não ser suficiente para pôr fim às gozações.

A maior parte dos apelidos tem relação com orelha e nariz. Normalmente, depois da cirurgia, a autoestima e o rendimento escolar da vítima do bullying melhoram e ela deixa de se isolar. O bullying faz com que a criança seja retraída e não aproveite bem a vida. A cirurgia plástica promove quase uma mudança de personalidade e por isso o acompanhamento de um psicólogo é indispensável.

dumbo_01
Os procedimentos mais recorrentes entre crianças e adolescentes são correção de orelha em abano, redução de mama devido à ginecomastia (em meninos) e plástica no nariz.

O reparo na orelha “Otoplastia” pode ser feito a partir dos 7 anos. A correção de orelha em abano dura 40 minutos e é feita com anestesia local e sedação, em caso de crianças mais agitadas. O paciente recebe alta no mesmo dia. O pós-operatório inclui o uso de um capacete especial para proteger a área e, posteriormente, de uma faixa para fixar a orelha na nova posição.

Para as outras cirurgias, é preciso ter, pelo menos, 15 anos, pois o septo nasal e as glândulas mamárias ainda não estão completamente desenvolvidos antes disso.

Os resultados da plástica no nariz “Rinoplastia” aparecem apenas de seis meses a um ano após o procedimento. Isso porque a ‘memória da pele’ impede que ela assuma a nova forma do órgão imediatamente.

Cirurgia procurada mais por rapazes com ginecomastia, a redução das mamas “Ginecoplastia” é feita, normalmente, entre 15 e 17 anos. A remoção das glândulas mamárias dura uma hora, a cicatriz é pequena e os pontos são retirados em uma semana.

Devido ao pós-operatório, a procura pelas cirurgias é maior no período de férias escolares. Muitas vezes, o desejo da criança em operar está ligado à entrada dela na escola.

Das cerca de cem cirurgias plásticas realizadas por ano na Clínica de Cirurgia Plástica Dr. Thiago Iria, entre 5% e 10% são em adolescentes. Mas é importante ressaltar que nem todos os casos são cirúrgicos e que cabe ao médico avaliar o que incomoda o paciente. Precisamos conversar para saber a origem do problema. No geral, a vontade de mudar é tanta que eles não reclamam da cirurgia.

É PRECISO MUDANÇA DE ATITUDE

Segundo o Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral da Unicamp, as cirurgias plásticas podem não ser solução para o bullying. Eles ressaltam que não basta a correção física, é preciso que a vítima deixe de se enxergar como frágil e menor do que os agressores. Vencer o problema não significa vencê-lo materialmente, mas psicologicamente. A pessoa poderá ser vítima de bullying por outros aspectos não visíveis, como a timidez ou a própria inteligência.

Além dos aspectos físicos, podem ser objeto de bullying questões psicológicas e socioeconômicas. A criança precisa do apoio da escola para vencer o problema.

Portanto, um acompanhamento psicológico com um profissional é imprescindível nestes casos, tanto para a criança, quanto para a família da criança, nesta idade elas precisam se sentir apoiadas e não podem tomar decisões de grandes transformações sozinhas.

Postado por em - Sem Comentários

Dermolipectomia Dorsal (ou Torsoplastia)

A Dermolipectomia Dorsal, ou Torsoplastia, consiste na retirada de pele na região dorsal (das costas).

A indicação deste procedimento é para pacientes que perderam muito peso e com grande quantidade de dobras circunferências (anterior, posterior e laterais). O procedimento é realizado junto com a abdominoplastia. Pacientes que perderam muito peso e realizam a abdominoplastia, geralmente apresentam pele sobrando na região dorsal (costas), a qual só será retirada pela torsoplastia.

A cirurgia consiste no prolongamento da incisão da abdominoplastia, que irá até as costas, desta forma retirando gordura deste local onde a cicatriz permanecerá escondida na roupa íntima ou biquíni, conforme demostrado na ilustração abaixo:

dermolipectomia_dorsal

A anestesia poderá ser peridural (com sedação) ou anestesia geral.

Orientamos no pós-operatório, que se utilize malha compressiva e meia antitrombótica por pelo menos 30 dias, evitar agachar por três dias e evitar executar atividades físicas intensas nos primeiros meses, assim como correr é importante evitar correr e subir escadas por pelo menos 60 dias.

Sempre é de extrema importância seguir todas as orientações médicas, usar o anticoagulante por pelo menos uma semana depois da cirurgia, etc.

Dentre as complicações possíveis da abdominoplastia, podem ser citados: hematoma, seroma, infecção, necrose (sofrimento da pele), deiscência (abertura da sutura), quelóide, trombose, embolia, problemas anéstesicos. Por serem as complicações mais freqüentes em paciente fumantes, estes devem se abster do cigarro por um mês antes da cirurgia, para minimizar os riscos. No caso de uso de anticoncepcional oral, deve-se suspender o uso 1 mês antes da cirurgia, período no qual outro método anticoncepcional deve ser adotado.

O resultado definitivo da torsoplastia é atingido após 6 meses da cirurgia, período necessário para a acomodação dos tecidos e amadurecimento da cicatriz.

Caso tenha dúvidas específicas, nos escreva para: contato@drthiagoiria.com.br, ou agente uma consulta pelo site: www.drthiagoiria.com.br para que possamos realizar um diagnóstico mais preciso.

Postado por em - Sem Comentários

Expectativa x Realidade: Como estariam e como estão os astros de De Volta para o Futuro

Quando foi lançado, em 1985, o filme mostrava os atores maquiados como se fossem três décadas mais velhos. Trinta anos depois, veja se o resultado bate.

DeVoltaParaOFuturo_Lorraine_1
Lea Thompson tinha 23 anos quando interpretou uma Lorraine Baines de 17 anos e uma Lorraine McFly de 47 anos, nas duas linhas temporais de De Volta para o Futuro.

DeVoltaParaOFuturo_Lorraine_2
30 anos depois, na linha do tempo de 1985, a personagem tinha 47 anos e a equipe de maquiagem levou três horas para envelhecer Thompson – como pode ser visto nas duas primeiras fotos de De Volta para o Futuro (uma da linha do tempo original e a outra da alterada). A terceira imagem é de Lorraine com 77 anos, no futuro de 2015, e a quarta é no futuro distorcido de 1985, ambas em De Volta para o Futuro 2.

DeVoltaParaOFuturo_Lorraine_3
Aqui está Thompson em 2015, com 54 anos.

DeVoltaParaOFuturo_George_1
Crispin Glover tinha 21 anos quando interpretou George McFly em De Volta para o Futuro. em 1985. Aqui, no passado de 1955, a personagem tinha 17 anos (foto).

DeVoltaParaOFuturo_George_2
Passados 30 anos da personagem, Glover foi envelhecido para parecer ter 47 anos em 1985. A primeira foto é da linha do tempo inicial e a segunda, do futuro alterado por Marty McFly.

DeVoltaParaOFuturo_George_3
Aqui está Glover em 2015, com 51 anos.

DeVoltaParaOFuturo_Biff_1
Thomas F. Wilson tinha 26 anos quando interpretou Biff Tannen de 18 e 48 anos em De Volta para o Futuro. Na foto, vemos a personagem na linha do tempo de 1955.

DeVoltaParaOFuturo_Biff_2

Nas três primeiras fotos, Wilson foi envelhecido 30 anos para parecer ter 48 anos em 1985 – primeiro, na linha do tempo original de De Volta para o Futuro; segundo, no futuro alterado do final do filme; terceiro, no futuro distorcido de De Volta para o Futuro 2. Na quarta foto, a personagem Biff tem 78 anos em 2015, no segundo longa da franquia.

DeVoltaParaOFuturo_Biff_3
Aqui está Wilson em 2015, com 56 anos.

DeVoltaParaOFuturo_Jennifer_1
Elisabeth Shue tinha 26 anos quando substituiu Claudia Wells no papel de Jennifer Parker emDe Volta para o Futuro 2. Sua personagem tinha 17 anos na linha do tempo de 1985.

DeVoltaParaOFuturo_Jennifer_2
Shue foi envelhecida 30 anos para parecer ter 47 anos em 2015.

DeVoltaParaOFuturo_Jennifer_3
Aqui está Shue em 2015, com 52 anos.

DeVoltaParaOFuturo_McFly_1
Michael J. Fox tinha 28 anos quando interpretou Marty McFly em De Volta para o Futuro 2, que foi filmado em 1989 e se passa em 1985 e 2015.

DeVoltaParaOFuturo_McFly_2
Fox foi envelhecido 30 anos para parecer ter 47 anos em 2015.

DeVoltaParaOFuturo_McFly_3
Aqui está Fox em 2015, com 54 anos.

__________________________________
Fonte: Adoro Cinema – http://www.adorocinema.com

Postado por em - Sem Comentários

Plástica na bochecha desponta como uma das preferidas dos brasileiros

Bichectomia retira bolsas de gordura das bochechas e deixa rosto mais fino. Procura pelo tratamento triplicou no Brasil

A bichectomia é a cirurgia plástica que remove as bolas de Bichat, que são depósitos de gordura existentes nas bochechas. Com isso, a face fica mais magra e com curvas mais harmônicas. Apesar de ser um procedimento simples e rápido, ainda não é muito conhecido entre os pacientes, principalmente no Brasil. Na edição do Fantástico do dia 24/05, foi ao ar uma reportagem sobre a cirurgia, que apresentou algumas das vantagens e cuidados para realização do procedimento. Confira:

Confira a matéria completa do Fantástico sobre bichectomia

Confira a matéria completa do Fantástico sobre bichectomia

O procedimento envolve dois cortes dentro da boca, de 1 a 3 cm cada um, por onde a gordura é tracionada. Pode ser feito com anestesia local e sedação ou anestesia geral. Dura cerca de 40 minutos e a recuperação, é semelhante à extração de um dente do siso. Ela pode ser feita em hospital ou em clínica. A recuperação é rápida e praticamente indolor. O resultado é notado após 2 a 4 semanas, quando o inchaço desaparece.

Apesar de ainda não ser muito conhecida entre as brasileiras, a bichectomia já faz sucesso nos Estados Unidos. De acordo com matéria publicada no site da revista VEJA, algumas famosas já aderiram à cirurgia. Entre elas, as atrizes Angelina Jolie e Megan Fox, além da modelo Kim Kardashian e as cantoras Madonna e Jennifer Lopez.

Megan Fox (Bichectomia)

Megan Fox (Bichectomia)

Angelina Jolie (Bichectomia)

Angelina Jolie (Bichectomia)

No Brasil, em 2015, foram realizadas cerca de 30 bichectomias por mês – o triplo, se compararmos com o mesmo período no ano passado.

Para mais informações sobre a bichectomia, marque uma consulta com o Dr. Thiago Iria pelo site ou entre em contato pelo telefone: (44) 3624 3609. Para acompanhar mais dicas e curiosidades sobre cirurgias plásticas, curta a nossa página no Facebook.

Postado por em - Sem Comentários

TRÊS TENDÊNCIAS QUE ESTÃO MUDANDO A CIRURGIA PLÁSTICA

A coisa mais “quente” na cirurgia plástica talvez não seja retirar gordura, mas adicioná-la.

É o que afirma este post no site da revista TIME: http://time.com/3842179/plastic-surgery-trends

No texto diz que apesar da procura por eliminar o queixo duplo das pessoas por exemplo, os cirurgiões plásticos consultados pela TIME afirmam que as principais tendências da área dizem respeito a outras partes do corpo.

lipo_papada

Segundo a matéria, eles afirmam que as mulheres americanas estão focando em três objetivos: glúteos maiores, lábios genitais menores e um rosto mais suave e recheado.

A Lipoaspiração e a mamoplastia de aumento continuam sendo os procedimentos mais realizados, mas os profissionais dizem que mudanças culturais e avanços na ciência aumentaram a popularidade de cirurgias plásticas menos conhecidas.

O maior aumento em 2014 foi a gluteoplastia de aumento, que aumentou 86% em comparação com o ano anterior, segundo dados da American Society for Aesthetic Plastic Surgery (ASAPS).

gluteoplastia

Segundo a revista americana, foram 21.446 procedimentos do tipo, de acordo com dados coletados em questionários respondidos por 786 cirurgiões plásticos, otorringolarogista e dermatologistas.

Talvez mais surpreendente seja o aumento de 49% no último ano de cirurgias plásticas íntimas, um procedimento que reduz o tamanho ou reconstrói os lábios inferiores da genitália feminina.

ninfoplastia

Os mesmos dados coletados mostram que em 2014 foram 7.535 cirurgias plásticas do tipo, um aumento creditado pelo presidente da ASAPS (American Society for Aesthetic Plastic Surgery), a um maior conhecimento sobre a disponibilidade da técnica. Ele também afirma que as mulheres podem ter consciência de que sua lábia é grande e pode aparecer quando estiver usando um biquíni ou então que reduzi-la pode diminuir o desconforto na prática de exercícios físicos. Algumas mulheres podem se sentir “devastadas” com o tamanho da lábia.

Um ponto interessante apontado pelos cirurgiões da terra do Tio San, é o fato deles acreditam que no futuro a principal tendência será colocar gordura a certas partes do corpo e não retirá-las. Conforme as pessoas envelhecem, elas perdem volume na face e adicionar um pouco de gordura, será um procedimento popular. Os médicos estão começando a compreender como o processo, chamado de enxerto de gordura ou restauração volumétrica, funciona. O que os médicos estão entendendo é como o enxerto de gordura reorganiza as fibras elásticas abaixo da pele e fazem o paciente ter uma aparência rejuvenescida.

Postado por em - Sem Comentários

COMO DEVE SER A ALIMENTAÇÃO NO PÓS-OPERATÓRIO?

O sucesso de um procedimento cirúrgico, não depende exclusivamente do médico. Os cuidados no pré e pós-operatório são fundamentais para que tudo aconteça da melhor forma possível. No pós-operatório, além do repouso nos primeiros dias, a alimentação merece uma atenção especial para que forneça os nutrientes necessários ao corpo, colaborando para que ele se restabeleça.

Uma regra geral para a maior parte dos procedimentos de cirurgia plástica é o corpo permanecer inchado e dolorido por algum tempo, neste caso o ideal é manter uma dieta balanceada e rica em potássio, isso ajuda a diminuir o inchaço, além é claro da drenagem linfática e do uso de malhas de compressão.

ALIMENTOS QUE AJUDAM NO PÓS-OPERATÓRIO

Os alimentos cicatrizantes, como leite, iogurte, laranja e abacaxi, são importantes na recuperação após uma cirurgia porque facilitam a formação do tecido que fecha as feridas e ajudam a diminuir a marca da cicatriz.

Alimentos cicatrizantes

Frutas cicatrizantes

 

Para melhorar a cicatrização também é importante manter o corpo bem hidratado porque assim a pele fica mais elástica e a cicatriz fica melhor, uma boa solução podem ser os alimentos ricos em água como laranja, melancia e os caldos.

O período em repouso pode deixar o intestino preguiçoso, por isso é importante consumir alimentos ricos em fibras. Iogurtes, ovos, abacate, cenoura, beterraba, abóbora, cenoura, damasco, manga, espinafre, couve, tomate, uva, goiaba, castanha-do-pará, salmão e atum são outros alimentos benéficos para este período.

Cada alimento possui uma função importante. O iogurte ajuda no equilíbrio da flora intestinal. O ovo fornece proteínas e é de fácil digestão. O abacate acaba com o mau colesterol, regula o intestino, além de ser fonte de vitaminas. O suco de limão, retém a hemoglobina, evitando a anemia.

Confira na tabela exemplos de alimentos que contribuem para uma melhor cicatrização da pele e que devem ser consumidos no pós-operatório:

clique na tabela para ampliar

ALIMENTOS QUE DEVEM SER EVITADOS NO PÓS-OPERATÓRIO

Alguns alimentos ricos em gorduras saturadas ou trans (salgadinhos, batata frita, margarinas, pipoca de micro-ondas, bolos e tortas industrializadas, bolachas recheadas), cafeína, carne vermelha, bebidas alcoólicas e sal em excesso, podem prejudicar a cicatrização porque o açúcar e a gordura dificultam a circulação do sangue, que é essencial para que os nutrientes cheguem à ferida para cicatrizar o tecido lesionado.

Os alimentos fermentativos (feijão, lentilha, grão-de-bico e repolho) também não devem ser consumidos por um período.

Postado por em - Sem Comentários

ESTÉTICA – BIOMODULAÇÃO ASSOCIADO À DRENAGEM LINFÁTICA NO PÓS-OPERATÓRIO. (por Patrícia Michelli)

Reparação Tecidual e Biomodulação nos procedimentos Pós Operatórios em Cirurgia Plástica com Laser de Baixa Intensidade (Potência).

laser 1

Hoje já é possível oferecer um pós-operatório mais adequado e menos traumático, há vários estudos publicados que comprovam que a fototerapia (Laser) de baixa intensidade ou potência, possui a capacidade de proporcionar uma reparação tecidual muito mais rápida, diminuindo assim o tempo de desconforto de um Pós Operatório no processo cicatricial.

laser
O laser possui efeitos fotoquímicos, fotofísicos e fotobiológicos, que podem ser divididos de duas formas, sendo em curto prazo onde as respostas teciduais podem ser visualizadas minutos após a aplicação do laser e, à longo prazo, onde os efeitos são observados em um período de horas ou dias após a irradiação.

Entre as vantagens da utilização do laser, destaca-se: 
• Sua alta precisão, podendo ser aplicado em pontos específicos, minimizando o dano tecidual adjacente;
• A ausência de contato permite um procedimento não invasivo, deixando os campos operatórios livres;
• É intrinsecamente estéril, diminuindo a possibilidade de infecção pós-operatória;

O laser terapêutico de baixa intensidade tem sido amplamente utilizado para tratamentos alternativos e não invasivos, promovendo aceleração nos processos de cicatrização, redução da dor, edema (inchaço), reduzindo a inflamação.

A técnica é associada a drenagem linfática, não oferece nenhum risco ao paciente, tornado o procedimento ainda mais eficaz.

Para maior comodidade realizo atendimento domiciliar para pacientes que realizaram cirurgia plástica.

ass_patricia

* A Clínica de Cirurgia Plástica Dr. Thiago Iria agradece a esteticista Patrícia S. Michelli pela sua colaboração, estamos abrindo nossos canais de comunicação para que profissionais de estética de Umuarama e região possam informar e divulgar os benefícios e as novidades dos procedimentos estéticos.

** A Clínica de Cirurgia Plástica Dr. Thiago Iria não tem nenhuma relação comercial com as profissionais apresentadas, convidamos profissionais que nos foram indicadas por pacientes com o intuito de compartilharmos e divulgarmos informações que atendam aos anseios do mesmo.

Postado por em - Sem Comentários

ESTÉTICA – O QUE É DRENAGEM LINFÁTICA (por Fátima Oliveira)

A drenagem linfática é uma técnica de massagem que trabalha o sistema linfático, estimulando-o a trabalhar de maneira mais eficiente, movimentando a linfa até os gânglios linfáticos, eliminando o excesso de líquido e toxinas. A drenagem reduz a celulite, atenua problemas circulatórios e varizes. Além de ajudar muito no pré e o pós-operatório de cirurgias plásticas.

drenagemLinfatica

O método de drenagem linfática manual surgiu em Paris e foi desenvolvido pelo terapeuta dinamarquês Emil Vodder que trabalhava junto com sua esposa, na Riviera Francesa. A técnica é muito mais popular na Europa que no Brasil, apesar dos brasileiros já terem conhecimento dos benefícios da drenagem a alguns anos de forma preventiva, estética ou terapêutica.

A massagem consiste em manobras suaves, lentas, rítmicas, relaxantes e precisas, visando aperfeiçoar as funções do sistema linfático que é uma via secundária de acesso, em que os líquidos, as proteínas e pequenas células são devolvidos ao sistema venoso. As manobras são realizadas com os dedos ou as mãos de acordo com a zona do corpo, sempre no sentido fisiológico da drenagem, ou seja, dos membros em direção ao corpo, ajudando os líquidos a seguirem o caminho linfático. Além de transportar o líquido intersticial, proteínas e gorduras, a drenagem contribui com o sistema imunológico, aumentando o número de glóbulos brancos, que são as substâncias responsáveis pelas defesas do organismo.

mapa_de_ganglios

Ganhando força nos tratamentos clínicos e estéticos no Brasil, temos na drenagem linfática uma forma de tratamento promissora, sejam elas estéticas, como a celulite e a gordura localizada, como patológicas, como o linfedema, lipoedema e insuficiência cardíaca. Surge daí um conflito entre profissionais que distorcem o real efeito da massagem, aplicando técnicas dolorosas e ineficazes durante as sessões e colocando em risco a saúde de suas pacientes. Ao contrário do que se pensa uma drenagem linfática executada de forma correta não deixa a paciente com hematomas (manchas roxas) ou com dores pelo corpo.

Drenagem-linfática-1

O ideal é fazer a massagem de duas a três vezes por semana.

INDICAÇÕES:
• Insuficiência cardíaca;
• Elefantíase, linfedema, lipoedema;
• Em pós cirúrgico de cirurgias reparadoras ou estéticas, acelera a recuperação do organismo, atenua as cicatrizes, evita fibroses e auxilia a minimizar os hematomas;
• Perda de tônus da pele;
• Cólicas menstruais;
• Dores nas pernas e sensação de peso, principalmente em gestantes;
• Prevenção e tratamento contra a celulite;
• Elimina toxinas evitando a formação de nódulos linfáticos;
• Elimina o líquido acumulado nos tecidos que causam inchaço e edema;
• Melhora o metabolismo, melhora a circulação sanguínea e linfática, aumenta a nutrição e oxigenação tecidual e circulação linfática;
• Melhora o sistema imunológico.

CONTRA-INDICAÇÕES:
Praticamente todas as pessoas podem se beneficiar com a drenagem linfática, não é necessário  estar com algum problema para fazê-la. No entanto, como todo procedimento tem indicações e contra-indicações, é importante ter atenção para os seguintes casos: não se deve fazer drenagem em casos de febre, trombose venosa profunda, infecções agudas, abscesso, nódulos não identificados, alterações cardíacas recentes ou descompensadas e quando existe a suspeita ou se está em tratamento de câncer.

Pessoas cardíacas ou com a pressão alta possuem contraindicações relativas, e o caso deverá ser avaliado durante a anamnese, por isso é tão importante procurar um profissional competente.

NÚMERO DE SESSÕES: de 6 a 10 – 1 até 3 vezes por semana (variando conforme avaliação profissional e objetivos do tratamento).

DURAÇÃO DA SESSÃO:
Facial – de 30 / 40 min.
Corporal – de 50 / 60 min.

ass_Fatima

* A Clínica de Cirurgia Plástica Dr. Thiago Iria agradece a esteticista Fátima Oliveira pela sua colaboração, estamos abrindo nossos canais de comunicação para que profissionais de estética de Umuarama e região possam informar e divulgar os benefícios e as novidades que a estética está trazendo.

** A Clínica de Cirurgia Plástica Dr. Thiago Iria não tem nenhuma relação comercial com as profissionais apresentadas, convidamos profissionais que nos foram indicadas por pacientes com o intuito de compartilharmos e divulgarmos informações que atendam as buscas de nosso público.

Postado por em - Sem Comentários